A mineração e os limites de caeté

Categoria: EDITORIAL , Criado em Sexta, 17 Maio 2013 15:13 Escrito por Alesson Alves ,
Imprimir E-mail
BCED10DD-AD36-CA1C-C676-AC0DC8EECC15_700X524
Hoje, abro espaço para agradecer o vereador Dalton Pessoa pela moção de congratulação pelos 7 anos do portal e 2 anos do Jornal VcNaNeT, abro espaço ainda para agradecer todos que deram parecer favorável. Deixo um grande abraço aos vereadores Guilherme Rosa e João Carlos que comemoram com agente no Icaraí sábado passado nossos 7 anos.
Passado os agradecimentos, vamos a pauta da semana. Hoje o tema é a mineração e os limites de Caeté. Você deve estar se perguntando por que da mineração e os limites? É porque os limites são responsáveis para onde são destinados a maioria dos recursos arrecadados, tais como os royalties, repasses do ICMS entre outros gerados na mineração.
Ano passado vimos um fato amplamente divulgado no município, a divulgação da entrada de mais recursos para o município devido a parte do projeto da AngloGold Ashanti em Sabará ter um percentual que não nos recordamos do valor exato agora, mas este é próximo a 30% do projeto. Na época era entre as várias divulgações, uma delas que o percentual era referente à barragem de rejeitos, já outros, diziam que se referiam à parte da mina. Contudo até hoje ninguém sabe ao certo o que é este percentual e principalmente se nesse território do projeto se encontra realmente alguma parte da mina.
Até mesmo trabalhadores da mina, que, diga-se de passagem, é uma das principais empregadoras do município, tem duvida se ela está ou não no território do município. Na gestão passada vimos o Dalton questionar sobre o sumiço da placa que marcava a divisa entre os dois municípios. Então nesta semana indo a Santa Barbara e vimos as placas limites entre Caeté e Nova União, Nova União e Bom Jesus do Amparo, Bom Jesus do Amparo e Barão de Cocais e por último de Barão de Cocais e Santa Bárbara também passei a ter o mesmo pensamento porque não temos a placa de divisão dos limites com Sabará, ainda mais porque nenhum prefeito do município seja na atual gestão que ainda é nova e por enquanto ainda não pode ser questionada sobre o assunto, seja nas gestões anteriores, uma proposta para  revisar os limites do município e vê se alguns dos projetos de mineração que na estão bem na divisa com nossos vizinhos não têm realmente nenhuma parte de suas cavas em nossa cidade, afinal já diz o ditado, a voz do povo é a voz de Deus, e hoje quase todos já dão conta deste projetos dentro de nossos limites.
E olha que não é somente a mina da Anglo que não tem a placa de divisão que os cidadãos suspeitam, Várias pessoas chegam ao jornal como seguinte questionamento, como a Brumafer pode minerar no pé da Serra da Piedade que é de Caeté, e dizer que a sua mina está totalmente no município de Sabará. Respondi-lhe que a mina se encontrava no pico do Brumado, situado em Sabará, contudo após ir a Serra na semana passada, e darmos uma parada para tirar fotos da mineração abandonada, somos obrigados a realizar uma reflexão, afinal ela pode sim até estar em Sabará, mas somente em parte, pois ela está nos pés da serra para não dizer que já pegou parte dela. Agora nos perguntamos não seria interessante para o município a revisão destes limites, afinal temos uma possibilidade real de que pelo menos um desses projetos estejam no município, o que se constatar como concreto poderia mudar sensivelmente a situação econômica do município com um aumento substancial da  arredarão própria da cidade.