Na madrugada, arrombadores desafiam autoridades

Categoria: Minas , Criado em Terça, 21 Janeiro 2014 10:39 Escrito por VcNaNeT ,
Imprimir E-mail

 

loja-arrombadaCom o grande número furtos, arrombamentos e roubos ocorridos nas últimas semanas, à sociedade caeteense se mobilizou para discutir a segurança publica no município. Dentre as diversas ações podemos destacar as reuniões no gabinete do prefeito, Zezé Oliveira, junto a vereadores, entidades do terceiro setor e as Policias Militar e Civil e a reunião realizada na sede da Associação Comercial, Industrial, Agropecuária de Caeté – ACIAC / CDL que reuniu o comércio local junto as Policias Militar e Civil.

 

A mobilização realizada pela comunidade surtiu efeito imediato, já no outro dia passamos a ver policiais de outros batalhões ajudando no patrulhamento do município, tivemos durante a semana uma base comunitária da Policia Militar na Avenida João Pinheiro, e circulando por vários outros pontos de Caeté, operações sendo realizadas, blitz entre várias outras ações que comunicaram na melhora do sentimento de segurança da população durante o dia.

Já a bandidagem acuada com a resposta das autoridades rapidamente mudou sua estratégia de atuação, e passou a realizar seus crimes no cair da madrugada, sem nenhuma preocupação ou receio de ser preso. Nas últimas três noites foram pelo menos quatro lojas arrombadas ou com tentativa de arrombamento no comercio caeteense, a última aconteceu na madrugada de ontem em uma loja de celulares na Avenida João Pinheiro.

Devido a todas as lojas terem a mesma forma de atuação (utilização de um pé de cabra para arrombada a porta) sugere-se que se trata de uma quadrilha ou de um mesmo ladrão efetuando os arrombamentos. Para um comerciante que teve seu comercio arrombado e preferiu não se identificar a audácia dos bandidos na realização de seus crimes mostram claramente que eles não têm nenhum medo da policia e tem a certeza que poderão realizar seus crimes sem sequer ser incomodados.

Para um morador do Bairro, Pedra Branca, próximo a Avenida João Pinheiro, disse à reportagem que já não consegue mais contar nos dedos o numero de casas e comércios de amigos e conhecidos do bairro que foram furtadas e invadidas, ele ressalta ainda que hoje vive com medo em sua residência, principalmente por se encontrar próximo a sua casa um ponto de uso e vendas de drogas (boca) que faz de sua casa um alvo fácil para os malandros.

A população já não sabe mais como se proteger do aumento massivo dos roubos e furtos no município e pede socorro às autoridades. E para você o que é preciso fazer para conter está onde de insegurança que se estacionou em nosso município?

Deixe seu comentário e contribua na discussão para resolver este importante problema.