sitevcnanet



Civil prende ex-funcionária do Procon por golpes contra consumidores

Categoria: Casos de Policia , Criado em Sexta, 04 Maio 2018 09:05 Escrito por PC MG ,
Imprimir E-mail

20602 janaina

Após seis meses de investigações, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) deu cumprimento, nessa quarta-feira (5), ao mandado de prisão preventiva contra Janaína Henrique Garcia, ex-funcionária do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) em Manhuaçu, além de efetuar mandados de busca e apreensão contra outra servidora do mesmo órgão. Ambas são investigadas por crimes de estelionato, inclusive, contra pessoas idosas.

Conforme apurado, os crimes teriam sido praticados a partir de documentos pessoais arrecadados no contato com dezenas de consumidores que procuravam o Procon em Manhuaçu. “A Polícia Civil, de posse dos mandados, compareceu até a casa de Janaína, onde foram arrecadados outros documentos para ampliação das investigações. Com relação à outra funcionária, havia suspeita de que pudesse estar envolvida e as investigações ainda prosseguem nesse sentido. Apuramos, também, que Janaina aplicou vários golpes, principalmente contra aposentados que procuraram o Procon de Manhuaçu”, explicou o Delegado José Geraldo, responsável pelo inquérito policial.

Há dois meses, durante cumprimento do primeiro mandado de busca, a PCMG recolheu documentos no apartamento de Janaína. Naquela oportunidade, a Justiça determinou o afastamento de Janaína das funções no Procon. O segundo mandado de busca e apreensão foi relacionado à outra funcionária. Os policiais civis fizeram buscas na sede do Procon e na residência dela. A mulher foi ouvida na delegacia e liberada em seguida.

Segundo informações do Delegado Regional Carlos Roberto Souza, Janaína também foi ouvida na delegacia, na presença de advogado e, em seguida, conduzida para o Sistema Prisional, onde permanece à disposição da Justiça.

A PCMG ressalta que os crimes não envolvem o Procon enquanto órgão público, e que outras pessoas - não ligadas ao órgão – também são investigadas no mesmo inquérito.