Santa Casa de Caeté divulga nota de repúdio contra atitude do Vereador Alex Magalhães

Categoria: Cidade , Criado em Quarta, 17 Abril 2019 18:40 Escrito por VcNaNeT ,
Imprimir E-mail

santa casa caete

A Superintendência da Santa Casa de Caeté divulgou, nesta quarta-feira (17), uma nota de repúdio contra declarações do vereador Alex Magalhães (PRB).

Na segunda-feira (15), o parlamentar havia divulgado um vídeo, nas redes sociais, para reclamar do atendimento oferecido pelo hospital, que, segundo Alex, estaria superando "6 horas".

Na nota, a instituição afirmou que as informações prestadas pelo vereador "não condizem com a verdade".

O hospital declarou que "o tempo máximo para o atendimento de urgência é de 30 minutos" e que havia, no momento da gravação do vídeo, dois plantonistas para realização de atendimentos. (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem).

Por meio da nota, o hospital solicitou retratação retração pública do vereador.

Alex Magalhães ainda não se pronunciou a respeito das declarações da Santa Casa.

Confira, abaixo, a nota divulgada pelo hospital.

NOTA DE REPÚDIO

A Sociedade Civil de Beneficência Caeteense - Santa Casa de Caeté - repudia veementemente a atitude do vereador Alex Magalhães, que na noite do dia 15 de abril de 2019 , publicou nas redes sociais através de um vídeo, sobre o atendimento do PA da Santa Casa. No vídeo o vereador diz que o tempo de atendimento na urgência era de mais de seis horas, o que não condiz com a verdade já que o tempo máximo de espera para o atendimento de urgência/emergência ( pulseiras vermelhas, laranjas e amarelas) foi de no máximo 30 minutos. Ratificamos ainda que alguns atendimentos que não de urgência /emergência ( pulseiras azuis e verdes)tiveram o tempo de atendimento maior neste dia devido ao aumento da demanda em parte atribuído ao crescente número de casos de dengue que estamos enfrentando. Ressaltamos ainda que para diminuir esse tempo a Santa Casa poderia encaminhar esses pacientes não urgentes para as Unidades Básicas de Saúde, contudo a direção da Instituição optou atender a todos independente da sua classificação , ainda que com um tempo maior no atendimento , seguindo a missão que é “ Prestar assistência médico-Hospitalar e ambulatorial de qualidade à comunidade de Caeté e região, por meio de atenção humanizada e integral”.

Ainda no vídeo o vereador diz que no momento a instituição tinha somente um médico no atendimento, faltando com a verdade mais uma vez, já que no momento da gravação do vídeo tínhamos 02 (dois) plantonistas na especialidade de clínica geral atendendo pelo SUS e convênio, além da equipe de apoio com anestesista, cirurgião e obstetra.

A imagem da Santa Casa de Caeté não pode ser comprometida pela veiculação de informações falsas e os pacientes da instituição têm o direito a ter sua imagem preservada dentro de suas dependências, o que foi violado pelo Vereador, quando filmaram pacientes aguardando e seno atendidos sem o consentimento destes e sob a negativa expressa do funcionário da Portaria, que não foi respeitada.

Tal violação de direitos configura crime contra a honra, além de representar dano moral, sendo a imagem da instituição e de seus pacientes protegida pelos mais diversos diplomas legais no âmbito criminal, civil e inclusive pela Lei Federal conhecida como o Marco Civil da Internet.

Diante dos fatos ocorridos e dos ora expostos, a Santa Casa de Caeté requer seja procedida, pelo Vereador, retração pública, através dos mesmos meios de comunicação utilizados para manchar a imagem da instituição, que tem batalhado para manter a assistência com qualidade, mesmo diante da crise financeira que o Estado de Minas Gerais vem enfrentando.

A instituição não acatará ações de cunho unicamente politiqueiro, que visa o embate com as autoridades locais, as quais denegrem, mancham sua imagem, caluniam um serviço de relevância pública, gerando danos a uma Instituição centenária, única e importante para os Caeteenses.

Caso não seja efetivada a retratação ora requerida, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, as medidas judiciais para responsabilização do autor e inibição de outras ações desta natureza serão prontamente tomadas.

Caeté, 16 de abril de 2019.